A Ressurreição de Jesus: A Contribuição Evidencial de Lucas-Atos

sepulcroPor: Jonathan McLatchie

Qualquer discussão sobre a evidência da ressurreição deve primeiro averiguar o que as testemunhas apostólicas originais alegaram e se essas reivindicações são melhor explicadas pela ressurreição ou por alguma hipótese alternativa. A discussão contemporânea do caso da ressurreição concentrou-se amplamente em 1 Coríntios 15: 3-8, um texto que muitos estudiosos acreditam representar uma antiga tradição de credo que Paulo recebeu dos apóstolos de Jerusalém e que transmitiu aos crentes em Corinto. [1] As palavras de Paulo no versículo 11 (“quer tenha sido eu, quer tenham sido eles, é isto que pregamos, e é isto que vocês creram”) também sugerem que a mensagem que Paulo apresentou aos coríntios é a mesma proclamada pelos apóstolos de Jerusalém. Uma crítica popular a essa linha de argumento é que Paulo não faz distinção qualitativa entre sua própria experiência com Jesus ressuscitado e a dos outros apóstolos, usando a palavra grega ὤφθη para descrever ambas. [2] Atos 9:1-9 indica que o encontro de Paulo com Jesus ressurreto, que ocorreu após a ascensão, não envolveu o tipo de interação física que lemos dos apóstolos tendo com Jesus após Sua morte nos relatos do evangelho. Em que base, então, podemos ter certeza de que Paulo entende que os apóstolos tiveram o tipo de experiência com Jesus após Sua ressurreição que lemos nos evangelhos? Se não formos capazes de determinar a natureza das alegadas experiências de Jesus ressurreto, é muito difícil de avaliar a racionalidade das crenças dos discípulos que Jesus ressuscitou dos mortos. Eu não sou otimista que este caso possa ser feita robustamente apenas pelo corpo Paulino.

É inegável que Lucas representa os encontros pós-ressurreição como envolvendo vários modos sensoriais. Jesus aparece para vários indivíduos ao mesmo tempo, e esses encontros não são meramente visuais, mas também auditivos. Jesus envolve os discípulos em uma conversa em grupo. Os encontros são próximos e envolvem contato físico. Além disso, Atos indica que as aparições se espalharam por um período de quarenta dias – portanto, os encontros da ressurreição não foram um episódio breve e confuso. Se, então, pode ser mostrado que Lucas foi de fato um companheiro de viagem de Paulo, seria bastante surpreendente se seu entendimento da afirmação apostólica a respeito da ressurreição diferisse essencialmente daquele de Paulo.

Há uma razão adicional pela qual Lucas ser um companheiro de viagem de Paulo é significativo em nossa investigação da ressurreição, e é que Lucas afirma ter estado presente com Paulo durante a visita de Paulo à igreja de Jerusalém em Atos 21, quando “todos os presbíteros [incluindo Tiago] estavam presentes.” (Atos 21:18). Lucas esteve presente com Paulo durante sua prisão em Cesaréia Marítima (por pelo menos dois anos), período durante o qual ele sem dúvida teria tido amplo acesso às muitas testemunhas vivas da ressurreição de Jesus, já que Cesaréia fica a apenas aproximadamente 120 quilômetros de Jerusalém (onde muitas das testemunhas da ressurreição de Jesus residiram). O conhecimento de Lucas com os apóstolos de Jerusalém, portanto, o coloca em posição de saber o que estava sendo proclamado a respeito da natureza e variedade dos encontros pós-ressurreição com Jesus.

Lucas foi um companheiro de viagem de Paulo?

Existem muitas linhas de evidência para Lucas ser um companheiro de viagem de Paulo para discutir em detalhes neste artigo. No entanto, vou listar alguns exemplos. Em primeiro lugar, existem as famosas passagens do “nós”, começando em Atos 16, que são mais bem entendidas como indicando a presença do autor nas cenas que ele narra. Craig Keener observa que os pronomes “nós” desaparecem quando Paulo viaja por Filipos, apenas para reaparecer em Atos 20, quando Paulo passa novamente por Filipos. Isso sugere que o autor permaneceu em Filipos e, subsequentemente, voltou a se juntar a Paulo quando Paulo voltou por Filipos. [3]

Em segundo lugar, a confiabilidade do livro de Atos é espetacularmente bem apoiada por fontes seculares extra-bíblicas, e seu autor demonstra um conhecimento do mundo que é melhor explicado por ele ser um companheiro de viagem de Paulo. Talvez a categoria mais convincente desse tipo de evidência sejam aqueles casos em que o livro de Atos é acidentalmente confirmado – isto é, uma questão natural levantada por Atos é iluminada de forma incidental por um relato secular extra-bíblico. Para dar um exemplo, considere Atos 23:1-5, quando Paulo, tendo sido preso e levado perante o conselho judaico, foi atingido na boca por ordem do sumo sacerdote Ananias. Paulo responde apontando a hipocrisia de Ananias. Para isso, aqueles que estavam por perto disseram: “Você ousa insultar o sumo sacerdote de Deus?” A resposta de Paulo é um tanto estranha: “Irmãos, eu não sabia que ele era o sumo sacerdote, pois está escrito: ‘Não fale mal de uma autoridade do seu povo’ “. Isso levanta uma questão natural – por que Paulo não percebeu quem era o sumo sacerdote? Este Ananias era filho de Nedebaios (Antiguidades 20.5.3), que ocupava o cargo de sumo sacerdote quando Quadrato (o predecessor de Félix) era governador da Síria. Josefo relata que foi enviado a Roma pelo Quadrato, a fim de prestar contas de suas ações a Cláudio César (Antiguidades 20.6.2). Como resultado da intercessão de Agripa em seu nome, foram despedidos e devolvidos a Jerusalém. No entanto, Ananias não foi restaurado ao seu antigo cargo de sumo sacerdote. Ananias foi sucedido por Jônatas ( Antiguidades 20.10). O próprio Jônatas foi assassinado dentro do templo (Antiguidades 20.8.5).

Após a morte de Jônatas, o cargo de sumo sacerdote não foi ocupado até que Ismael, filho de Fabi, foi nomeado pelo rei Agripa (Antiguidades 20.8.8). Os eventos registrados em Atos 23 ocorreram exatamente neste intervalo. Ananias estava em Jerusalém e o cargo de sumo sacerdócio estava vago. Parece, então, que Ananias agiu, por sua própria autoridade, na capacidade assumida de sumo sacerdote. Isso, então, ilumina as palavras de Paulo em Atos 23:5: “Irmãos, eu não sabia que ele era o sumo sacerdote”. Lucas nem mesmo leva tempo para explicar a história de fundo em seu relato deste evento. As fontes se interligam de uma forma que aponta para a verdade da narrativa que encontramos em Atos.

Outra categoria de evidência, descoberta pela primeira vez por William Paley [4] e mais recentemente desenvolvida por Lydia McGrew [5], é o fenômeno de coincidências não planejadas entre Atos e as cartas de Paulo – isto é, interligações entre as fontes que são melhor explicadas pela verdade da narrativa em Atos. Considere a primeira carta de Paulo aos Coríntios, que foi escrita por volta de 52-53 dC de Éfeso na Ásia Menor (atual Turquia). Sabemos que Paulo escreveu 1 Coríntios em Éfeso porque Paulo envia saudações de Áquila e Priscila em 1 Coríntios 16:19, a quem Paulo conheceu em Corinto (Atos 18:1), e que viajou com Paulo até Éfeso (Atos 18:26) Paulo também faz alusão à sua intenção de ficar “em Éfeso até o Pentecoste” (1 Cor 16, 8). Corinto, a capital da Acaia, por outro lado, ficava do outro lado do mar Egeu de Éfeso. Agora, considere os seguintes dois textos de 1 Coríntios. Em 1 Coríntios 4:17 lemos: “Por isso enviei Timóteo …” E em 1 Coríntios 16:10, lemos: “Quando Timóteo chegar …” A partir desses dois textos incidentais, é evidente que Timóteo já tinha sido despachado na época em que Paulo escreveu, mas mesmo assim Paulo esperava que sua carta chegasse antes que Timóteo chegasse a Corinto. Dado que Éfeso está do outro lado do Mar Egeu da Acaia (onde fica Corinto), presumivelmente Paulo teria enviado sua carta diretamente de barco de Éfeso para Corinto. Portanto, podemos inferir que Timóteo deve ter tomado alguma rota indireta para Corinto, através de Trôade e Macedônia. Quando voltamos para Atos 19:21-22, que diz respeito à estadia de Paulo em Éfeso, lemos que Timóteo (acompanhado por Erasto) de fato tomou uma rota terrestre indireta de Éfeso para Corinto. Esse encaixe natural é melhor explicado pela confiabilidade histórica de Atos nesse detalhe. Mesmo que, como sugeri acima, Lucas não estivesse presente com Paulo nessa época, esse tipo de evidência indica que Lucas tinha acesso confiável às informações sobre as viagens de Paulo, o que sugere que ele o conhecia pessoalmente.

De particular interesse para nossos propósitos aqui, um conjunto de evidências confirmadoras sustentam a presença de Lucas com Paulo na igreja de Jerusalém em Atos 21. [6] Se puder ser mostrado de forma confiável que Lucas acompanhou Paulo em sua viagem naufragada de Cesaréia Marítima a Roma em Atos 27, segue-se que Lucas quase certamente estava presente com Paulo em Jerusalém (onde ele foi preso) em Atos 21. O relato daquela viagem observa que eles “… navegando ao longo da costa de Creta. Pouco tempo depois, desencadeou-se da ilha um vento muito forte, chamado Nordeste.” Confirmando o relato de Lucas, há de fato um vento bem confirmado que sopra do Nordeste sobre Creta e que é mais forte neste exato momento perto da Páscoa. [7] Atos 27:16 descreve como o navio foi desviado do curso em direção a uma pequena ilha chamada Clauda. O que é impressionante é que a ilha de Clauda fica a mais de 20 milhas a oeste-sudoeste de onde a tempestade provavelmente atingiu os viajantes na baía de Messara. É justamente para lá que a trajetória que o Nordeste deveria tê-los levado, e não é o tipo de informação que alguém teria inferido sem ter sido soprado para lá. Os antigos achavam quase impossível localizar ilhas tão distantes. Colin Hemer observa que “Nos lugares onde podemos comparar, Lucas se sai muito melhor do que o enciclopedista Plínio, que pode ser considerado o exemplo mais importante de tal fonte no primeiro século. Plínio coloca Clauda (Gavdos) em frente a Hierapitna, cerca de noventa milhas a leste (NH 4.12.61). Até Ptolomeu, que oferece um cálculo de latitude e longitude, faz um sério deslocamento para o noroeste, colocando Clauda muito perto do extremo oeste de Creta, em uma posição que não se adequaria à narrativa não estudada de nosso texto (Ptol. Geog. 3.15.8).” [8]

Dada a presença de Lucas com Paulo em Jerusalém em Atos 21 (e, portanto, sua interação demonstrada com os apóstolos de Jerusalém), podemos concluir que Lucas estava em posição de saber o que estava sendo afirmado pelos apóstolos de Jerusalém com relação à natureza dos encontros com o Jesus ressurreto. A próxima questão que devemos abordar em nossa investigação é se Lucas registra fielmente o que aqueles apóstolos de Jerusalém estavam ensinando a respeito da ressurreição.

Lucas relata com precisão as alegadas experiências dos apóstolos?

Já observei que a meticulosidade e o cuidado demonstrados por Lucas como historiador já fornecem alguns motivos para pensar que Lucas fez um relato preciso do que os apóstolos de Jerusalém afirmaram a respeito da ressurreição de Jesus. Existem outras razões? Uma evidência relevante aqui é o fato de que Lucas, como os outros três evangelhos, relata que as mulheres foram as principais descobridoras do túmulo vazio. Dado que o testemunho de mulheres não era muito estimado na sociedade patriarcal que era a antiga Palestina, esse fato é mais provável na hipótese de que Lucas está relatando o que ele realmente acreditava ter acontecido do que na falsidade dessa hipótese. Josefo escreve: “Mas não seja admitido o testemunho de mulheres, por causa da leviandade e ousadia de seu sexo” (Antiguidades4.8.15). Portanto, pode ser tomado como evidência confirmatória da hipótese de que Lucas está nos contando o que ele realmente acreditava ter acontecido. NT Wright conclui: “Como historiadores, somos obrigados a comentar que se essas histórias tivessem sido inventadas cinco anos depois, quanto mais trinta, quarenta ou cinquenta anos depois, eles nunca teriam tido Maria Madalena nesse papel. Colocar Maria ali é, do ponto de vista dos apologistas cristãos que querem explicar a uma audiência cética que Jesus realmente ressuscitou dos mortos, como um tiro no próprio pé. Mas para nós, historiadores, esse tipo de coisa é ouro em pó. Os primeiros cristãos nunca, nunca teriam inventado isso.” [9]

Um ponto importante aqui, muitas vezes esquecido, é que os relatos nos quatro evangelhos das mulheres que descobriram o túmulo vazio são de fato independentes. Lucas 24:10 diz: “As que contaram estas coisas aos apóstolos foram Maria Madalena, Joana e Maria, mãe de Tiago, e as outras que estavam com elas …” É frequentemente sugerido que João 20:1, que relata apenas a doença de Maria Madalena descoberta do túmulo vazio, conflita com o relato de Lucas. No entanto, em João 20:2, lemos: “Então [Maria] correu ao encontro de Simão Pedro e do outro discípulo, aquele a quem Jesus amava, e disse: ‘Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o colocaram!’ ” [grifo nosso]. A escolha de palavras de Maria, em particular o uso οὐκ οἴδαμεν (“não sabemos”) indica, incidentalmente, que havia de fato outras mulheres, e o relato de João sobre essas palavras revela que ele também está ciente desse fato, embora não é mencionado explicitamente. Assim, o relato de Lucas e João sobre as mulheres descobrindo o túmulo vazio parecem ser independentes um do outro.

Mateus e Marcos também parecem ser independentes de Lucas quando se trata da descoberta do túmulo vazio pelas mulheres. [10] Lucas indica em Lucas 8:1-3 que algumas mulheres seguiram Jesus da Galiléia, incluindo Joana, a esposa de Cuza, administrador da casa de Herodes. Esse detalhe é confirmado por uma coincidência não planejada com Mateus 14:1, visto que ilumina como o autor do evangelho de Mateus pode saber o que Herodes disse a seus servos, presumivelmente na privacidade de seu palácio. Os nomes dados na lista de Lucas são Maria, Joana e Susana, bem como “muitas outras” (Lc 8:2-3). Marcos, descrevendo as mulheres que estavam “olhando de longe” para a crucificação, relaciona “Maria Madalena, Salomé e Maria, mãe de Tiago, o mais jovem, e de José.” (Mc 14:40). Esses nomes se sobrepõem apenas parcialmente aos dados em Lucas 8. Não há menção em Marcos de Joana ou Susana, e Lucas não menciona Maria, a mãe de Tiago ou Salomé. Não parece que Lucas adicionou a passagem no capítulo 8 para “colocar” as mulheres no lugar no início do ministério de Jesus e, assim, encaixar sua narrativa com Mateus e Marcos sobre as mulheres na cruz, porque os nomes são apenas parcialmente o mesmo. Lucas presumivelmente teria incluído Maria, a mãe de Tiago, e Salomé, e provavelmente deixado Susana de fora se ele tivesse ficcionalizado os versos do capítulo 8 com base na menção de Marcos das mulheres na cruz. O próprio Lucas menciona as mulheres que vieram da Galiléia no lugar da crucificação e no lugar do sepultamento (23:49, 55), mas nem mesmo menciona o nome de nenhuma delas. Ambos os relatos, portanto, confirmam aparentemente de forma independente que havia um grupo de mulheres que havia começado a seguir Jesus na Galiléia e que continuava a fazê-lo e que ajudava Jesus de maneiras concretas (“ministrando” ou “provendo”). Em Lucas 24:6-10, os anjos dizem às mulheres no túmulo vazio: “Lembrem-se do que ele lhes disse, quando ainda estava com vocês na Galiléia” (v. 6). Isso deixa claro que essas mulheres realmente estiveram pessoalmente com Jesus na Galiléia e ouviram o que Ele disse lá. Quando Lucas menciona várias mulheres que trouxeram aos discípulos a notícia do túmulo vazio e a mensagem do anjo (24:10), ele nomeia Maria Madalena, Maria, a mãe de Tiago, e Joana (e diz que havia outras mulheres também). Mais uma vez, ele não parece estar tentando reproduzir sua própria lista do capítulo 8, pois Maria, a mãe de Tiago, não estava nessa lista, e Susana não é mencionada em 24:10. Ele também não reproduz a lista de Marcos das mulheres na cruz nem a lista de Marcos das mulheres que foram ao túmulo (Mc 16:1), uma vez que Salomé não está incluída na lista de Lucas e Joana (que é exclusiva de Lucas) não está incluída na lista de Marcos. Lucas parece estar listando mulheres que ele realmente sabe que estiveram presentes nos eventos na manhã de Páscoa. Evidentemente, ele não tem certeza sobre a presença de Susana ou simplesmente não se preocupa em mencioná-la, e ele sabe que Maria, a mãe de Tiago, estava lá na manhã de Páscoa, embora ela não esteja listada em seu capítulo 8. Portanto, este também é um fato de coincidência interna não planejada de Lucas, uma forma em que partes bastante distantes da própria narrativa de Lucas se encaixam de uma forma aparentemente casual e não deliberada: Maria Madalena, Joana, e várias outras mulheres estavam com Jesus na Galiléia e ouviram ali a predição do próprio Jesus sobre sua crucificação e ressurreição. Posteriormente, elas foram com ele para Jerusalém e estiveram presentes na cruz, no sepultamento e no túmulo vazio.

Outra categoria de evidência a favor da ressurreição é o fenômeno das variações reconciliáveis, assim chamado pelo estudioso anglicano do século XIX Thomas Rawson Birks. [11] Uma variação reconciliável se refere a quando existem dois relatos do mesmo evento, ou pelo menos dois relatos que parecem cruzar o mesmo território em algum ponto, e à primeira vista eles parecem tão divergentes que é quase estranho; mas então, pensando melhor, eles acabam se revelando reconciliáveis ​​de uma maneira natural, afinal. Quando dois relatos parecem à primeira vista tão divergentes que não se tem certeza de que possam ser conciliados, isso é evidência significativa de sua independência. Quando, após uma inspeção mais detalhada ou ao obter mais informações, eles se revelam reconciliáveis ​​sem forçar, é quase certo que tenhamos relatos independentes que se encaixam. Várias instâncias de variação reconciliável pertencem aos relatos da ressurreição. Por exemplo, é popularmente observado que Lucas 24:36-49 relata Jesus como tendo aparecido aos “Onze” que estavam todos presentes juntos na ocasião (ver v. 33). Isso, prossegue o argumento, não permite a ausência de Tomé do grupo no momento da aparição (como em João), nem uma aparição subsequente aos discípulos com a presença de Tomé. Além disso, João nos diz que o aparecimento dos onze com a presença de Tomé ocorreu oito dias depois, enquanto Lucas parece indicar que a ascensão ocorreu imediatamente após o aparecimento dos onze. Lucas 24:50-51 nos diz: “Tendo-os levado até as proximidades de Betânia, Jesus levantou as mãos e os abençoou. Estando ainda a abençoá-los, ele os deixou e foi elevado ao céu.” Uma resposta possível é que“ os Onze ”estão sendo usados ​​como uma figura de linguagem, tanto quanto “aos Doze” é usado dessa forma por Paulo (veja 1 Cor 15:5). Não acho, entretanto, que essa abordagem seja a mais convincente, visto que parece ser um tanto ad hoc, e não há nenhuma evidência independente de que Lucas usou o termo “os Onze” dessa maneira. Também não explicaria a aparente rapidez da ascensão de Jesus após o aparecimento aos Onze, aparentemente não permitindo tempo para uma aparição subsequente aos discípulos com a presença de Tomé. Em resposta a esta objeção, pode ser apontado que, no final de Lucas, há uma clara pressa e uma falta de especificidade sobre o tempo. De fato, Lucas 24:29 afirma que os homens na estrada para Emaús pressionaram Jesus para que ficasse com eles para o jantar, porque já era noite e o dia estava “quase findando.“ Não sabemos o que isso significa exatamente, mas dificilmente significava três da tarde. Jesus então entra com eles; o jantar é preparado, independentemente do tempo que tenha demorado, e eles se sentam para comer. Eles o reconhecem quando ele parte o pão e ele desaparece. Eles então voltam imediatamente para Jerusalém, uma distância de 60 estádios (Lc 24:13), que parece ser cerca de 10-12 km – ou seja, cerca de 6 a 7 milhas. Essa caminhada levaria bem mais de uma hora, talvez até duas horas. Eles então conversam com os discípulos por um tempo e contam sua história (v. 35). Então Jesus aparece e se mostra. Eles lhe dão um pouco de comida (v. 42). Só depois disso Jesus começou a falar com eles sobre as Escrituras, dando-lhes algum tipo de sermão sobre como sua morte foi predita nas Escrituras (v. 45ss). Quanto tempo isso levou? Jesus então os leva para Betânia, uma ou duas milhas de caminhada (cf. João 11:18). Se alguém tentar colocar tudo na mesma noite, realmente parece que já estaria escuro nessa hora, tornando difícil para eles até mesmo testemunhar a ascensão ao céu (v. 51). Portanto, mesmo em Lucas 24 sozinho, não parece que tudo isso aconteceu em um dia. Evidentemente, Lucas está ficando sem rolo ou com pressa nesse ponto, e ele ainda não parece ter total conhecimento de quanto tempo exatamente Jesus esteve na terra. Assim, ele simplesmente deixa inespecífico e esclarece em Atos 1.

Também é popularmente alegado que Mateus faz Jesus aparecer aos discípulos apenas na Galiléia (não na Judéia), e, no evangelho de Lucas e Atos, Jesus aparece aos seus discípulos apenas na Judéia (não na Galiléia). Eu argumentaria, no entanto, que é inteiramente plausível que a instrução de Jesus para permanecer em Jerusalém (Atos 1:4) foi dita aos discípulos depois que eles retornaram à área de Jerusalém da Galiléia durante os 40 dias em que Jesus permaneceu na terra, talvez logo ou imediatamente antes da ascensão. Segundo todos os relatos, a ascensão ocorreu na região do Monte das Oliveiras, perto de Betânia, então, evidentemente, eles foram para a Galiléia e depois voltaram.

No entanto, uma outra linha de evidência para o relato honesto de Lucas das afirmações dos apóstolos a respeito da ressurreição vem do princípio da restrição. Nenhum dos evangelhos fornece quaisquer detalhes sobre a aparição de Jesus individualmente a Pedro ou a seu irmão Tiago, apesar do fato de Paulo mencionar ambos em 1 Coríntios 15:5,7. Lucas certamente está ciente, pelo menos, da aparição individual a Pedro, porque ele alude brevemente a ela em Lucas 24:33-34. Por que, então, ele não inclui um relato dessa aparição? Isso pode ser explicado se Pedro e Tiago tivessem tornado conhecido que eles tiveram um encontro com o Senhor ressurreto após a ressurreição, mas, por qualquer motivo, nenhum dos dois fez um relato desse encontro privado disponível para publicação. De fato, “Se os escritores dos Evangelhos estivessem tentando registrar com verdade apenas o que sabiam diretamente ou tivessem fontes confiáveis ​​para contar-lhes, eles teriam muito pouco a dizer sobre essas reuniões, exatamente como encontramos. Mas se eles se sentiram livres para inventar diálogos e cenas a fim de preencher onde faltavam informações, por que não o teriam feito aqui? Sua restrição aponta para a conclusão de que são registradores verdadeiros e confiáveis. ” [12]

Assim, a partir das linhas de evidência acima mencionadas, tomadas cumulativamente, podemos ter certeza de que não apenas Lucas estava em posição de saber o que estava sendo alegado pelos apóstolos a respeito da ressurreição de Jesus, mas Lucas registra com precisão o que eles relataram. O que, entretanto, explica melhor as afirmações dos apóstolos de terem tido encontros com Jesus ressurreto? É a esta questão que me dirijo agora.

O que melhor explica a afirmação dos apóstolos?

Ao avaliar qualquer afirmação, três grandes categorias de explicação devem ser consideradas. Essas são: (1) o reclamante está deliberadamente enganando; (2) o reclamante está sinceramente enganado; e (3) o reclamante está relatando com precisão o que aconteceu. Essas categorias explicativas amplas são mutuamente exaustivas (embora seja possível imaginar cenários onde elas são aplicáveis ​​em combinação). As várias linhas de evidência aduzidas na seção anterior deste artigo podem ser utilizadas não apenas na confirmação de Lucas como um relator fiel do que os apóstolos alegaram a respeito da ressurreição, mas também na eliminação da primeira das hipóteses declaradas acima. Linhas adicionais de evidência podem, entretanto, ser aduzidas para fortalecer ainda mais nosso caso contra a primeira hipótese. Não há dúvida de que os “apóstolos passaram suas vidas em labores, perigos, e sofrimentos, voluntariamente sofridos em atestação dos relatos que entregaram, e unicamente em consequência de sua crença nesses relatos; e que também se submeteram, pelos mesmos motivos, a novas regras de conduta.” [13] O próprio livro de Atos fala da intensa perseguição sofrida pelos primeiros cristãos, incluindo o martírio de Tiago, filho de Zebedeu (Atos 12:2), a prisão de Pedro (Atos 12:3-5), o espancamento de Pedro e João (Atos 5:40), e os muitos sofrimentos do apóstolo Paulo por causa do nome de Cristo. Uma vez que a disposição dos apóstolos de sofrer perseguição e até mesmo o martírio é mais provável dada a sinceridade de sua crença do que o contrário, isso pode ser tomado como uma evidência que desaprova a primeira hipótese, de que eles estavam deliberadamente tentando enganar.

Outra linha de evidência contra a primeira hipótese é que nenhuma seita conhecida do Judaísmo esperava que o Messias fosse ressurreto dos mortos. [14] Os saduceus não acreditavam na ressurreição dos mortos e os fariseus acreditavam apenas em uma ressurreição geral no final dos tempos, mas não tinham o conceito de um homem ascendendo à glória e imortalidade no meio da história. Portanto, não havia nenhuma motivação apologética óbvia para postular que Jesus havia ressuscitado dos mortos. A crucificação de Jesus foi vista por muitos judeus, à luz de Deuteronômio 21:23, como indicando o fracasso de Jesus em ser o Messias esperado, e os judeus dificilmente foram dados a glorificar Messias que falharam. Após a rebelião fracassada de Simão Bar Kochba contra Roma (132-135 dC), ninguém proclamou que ele havia ressuscitado.

Outros fatores que argumentam contra qualquer hipótese de conspiração incluem a velocidade com que uma conspiração teria que ser lançada, bem como o número e variedade de indivíduos que teriam precisado, contra seus próprios interesses, estar envolvidos em tal conspiração. [15] Isso incluiria os onze, o apóstolo Paulo, pelo menos cinco ou seis mulheres, Cleopas e seu companheiro, Tiago, irmão de Jesus, Matias e Barsabás, chamado de Justo (ambos mencionados em Atos 1:23 como cumprindo os requisitos de um apóstolo, ou seja, tendo sido testemunhas da ressurreição). Sendo conservador, portanto, e incluindo apenas os indivíduos especificamente nomeados, seria necessário haver pelo menos 23 indivíduos envolvidos na conspiração. É extremamente improvável que todos esses indivíduos tinham alguma coisa a ganhar ao afirmar que Jesus ressuscitou dos mortos e que nenum deles teria renegado,

O que dizer, então, da segunda hipótese, a saber, que os apóstolos estavam sinceramente enganados? Já discuti como a natureza multissensorial das alegadas experiências de ressurreição não é algo sobre o qual alguém possa estar sinceramente enganado. Existe ainda outra linha de evidência contra essa hipótese. A ressurreição de Jesus é dita em todas as fontes mais antigas como tendo ocorrido na manhã de domingo após Sua morte na Páscoa. Isso é indicado em todos os quatro evangelhos, bem como em Paulo, que indica que Cristo “ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras” (1 Cor 15:4). A evidência dos escritos da igreja primitiva, bem como do escritor romano Plínio, o Jovem (10.96.7), o livro do Apocalipse (1:10), o livro de Atos (20: 7) e Paulo (1 Coríntios 16: 2) todos indicam que a adoração cristã primitiva não ocorria no dia de sábado, mas sim no domingo. Isso quase certamente reflete a afirmação apostólica de que Jesus ressuscitou no domingo. Mas por que Paulo indica que o Cristo “ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras” (isso também é indicado em Lc 24:7). O ponto que Paulo, eu sugeriria, está dirigindo é que Cristo representa o primeiro homem a ser ressuscitado para a glória e a imortalidade, semelhante aos primeiros frutos da colheita que garante que o restante da colheita virá (cf 1 Coríntios 15:20). De fato, a festa das primícias deveria ser celebrada no dia seguinte ao primeiro sábado após a Páscoa – isto é, no domingo após a Páscoa (Lv 23:11). Embora os fariseus e saduceus discordassem sobre se o sábado em questão era o próprio dia da Páscoa ou o sábado após a Páscoa, os saduceus (que tinham a última opinião) estavam no comando do templo no primeiro século e, portanto, essa era a opinião que prevaleceu na prática judaica do primeiro século. É uma grande coincidência, então, que as fontes mais antigas indicam consistentemente que Jesus ressuscitou dos mortos no dia dos primeiros frutos, dada a sua importância teológica. Esse tipo de coincidência aponta para o design e, portanto, para longe da hipótese dos apóstolos estarem honestamente enganados.

Tendo argumentado fortemente contra as duas primeiras categorias explicativas, isso deixa como a melhor explicação da evidência discutida neste artigo aquela que os próprios anjos deram aos discípulos em Lucas 24:5-6: “Por que vocês estão procurando entre os mortos aquele que vive? Ele não está aqui! Ressuscitou!”

Literatura citada

[1] Michael Licona, The Resurrection of Jesus – A New Historiographical Approach (Illinois: Intervarsity Press, 2010), 318-343.
[2] Gerd Lüdemann, The Resurrection of Christ: A Historical Inquiry (New York: Prometheus, 2004), 43-44.
[3] Craig Keener, Acts: An Exegetical Commentary, Vol. 1 (Michigan: Baker Academic, 2012), 431.
[4] William Paley, Horae Paulinae ou, The Truth of the Scripture History of St. Paul Evinced (In The Works of William Paley , Vol. 2 [Londres; Oxford; Cambridge; Liverpool: Longman and Co., 1838].
[5] Lydia McGrew, Hidden in Plain View: Undesigned Coincidences in the Gospels and Acts (Ohio: DeWard Publishing Company, 2017).
[6] James Smith, The Voyage and Shipwreck of St. Paul: With Dissertations on the Life and Writings of St. Luke, and the Ships and Navigation of the Ancients , Fourth Edition, Revised and Corrected (London: Longmans, Green, and Co., 1880). Ver também Craig Keener, Acts: An Exegetical Commentary, Vol. 4 (Michigan: Baker Academic, 2015), 3555-3660.
[7] R.W. White. “A Meteorological Appraisal of Acts 27:5-26.” The Expository Times 113, no. 12 (setembro de 2002), 403-407.
[8] Colin Hemer, The Book of Acts in the Setting of Hellenistic History (Indiana: Eisenbrauns, 1990), 331.
[9] Tom Wright, “Appendix B”, in Anthony Flew, There is a God: How the World’s Most Notorious Atheist Changed His Mind (2007) with Roy Abraham Varghese (San Francisco: Harper One), 207.
[10] Lydia McGrew, The Mirror or the Mask: Liberating the Gospels from Literary Devices (Ohio: DeWard Publishing Company, 2020), 272-282.
[11] Thomas Rawson Birks, Horae Evangelicae, or The Internal Evidence of the Gospel History (London: Seeleys, 1852). Veja também Lydia McGrew, The Mirror or the Mask: Liberating the Gospels from Literary Devices (Ohio: DeWard, 2020), 316–321.
[12] Lydia McGrew, Hidden in Plain View: Undesigned Coincidences in the Gospels and Acts (Ohio: DeWard Publishing Company, 2017), cap. 4, Kindle.
[13] William Paley, A View of the Evidences of Christianity: Volume 1, Reissue Edition (Cambridge: Cambridge University Press, 2009), 15.
[14] Tom Wright, The Resurrection of the Son of God (Minneapolis, Augsburg Fortress, 2003).
[15] Lydia McGrew, “Independence, conspiracy, and the resurrection”, Extra Thoughts, 24 de Agosto, 2020. http://lydiaswebpage.blogspot.com/2020/08/independence-conspiracy-and-resurrection.html,


Artigo traduzido, para ler em inglês acesse: https://jonathanmclatchie.com/the-resurrection-of-jesus-the-evidential-contribution-of-luke-acts/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s